Mathilda
15 AGO

·

15:00

·

Jazz na Relva

Diga-se o que quiser de Portugal e dos portugueses, mas se há algo de que não nos podem acusar é de não nos correr música no sangue. É longa a nossa tradição no que a cantautores diz respeito, com luminários desta e de outras gerações a despontarem dos restantes munidos apenas de uma voz e guitarra ao peito. É na ponta final de uma história que viu nascer Godinho, Fausto, Zeca Afonso, Benjamim, Sarnadas, Gobi Bear, entre tantos outros, que surge agora Mathilda, o alter ego musical de Mafalda Costa (Guimarães, 18 de Fevereiro de 2000).
Mafalda refugia-se neste termo, que não é mais do que uma variação do germânico Mahalta, de onde deriva o seu nome, para expor fragilidades, acompanhada ora por um ukulele, ora por uma guitarra eléctrica. Ao vivo, faz-se acompanhar por Diogo Alves Pinto, mais conhecido pela sua one-man band Gobi Bear, que desenvolve arranjos com percussões e guitarra.
Embrenhada nas raízes da família Planalto Records (a casa da folk talhada neste jardim à beira-mar plantado), que a ajudou a editar "Infinite Lapse" em finais de 2017 - single lhe valeu o lugar de finalista no reputado Festival Termómetro e um lugar na colectânea Novos Talentos FNAC 2018. A cantautora vai percorrendo o seu caminho pacífico, à procura de encontrar o seu lugar neste longo conto, segura da voz, do vigor, da fantasia e da inocência tão própria dos jovens que nós também já fomos. Abra-se caminho para o encantamento da Mathilda.

topo

Cartaz